Páginas

quinta-feira, 30 de abril de 2015

ENTREVISTA: Lepra

Conversamos com o Ítalo, baixista e vocalista da banda de grindcore oriunda de recife, Lepra. Ele nos contou como foi participar da edição desse ano do Abril Pro Rock, sobre a cena underground em seu estado, letras das músicas e os planos da banda.

SCUM: Fale um pouco sobre como surgiu o Lepra e o início da banda.
A banda surgiu na cidade de Moreno no ano de 2005 com a proposta de fazer um hardcore meio que metal sem muita pretenção de ficar famoso e talz,agente queria mesmo era tomar caxaça (rsrs) e fazer uns barulho  aos poucos a banda foi ficando um pouco mais séria, foi tomando cara de banda, o grindcore, inevitável, tendo em vista as influências dos integrantes(um batera que escutava black metal e um baixista que curtia punk, hc, RDP, era disso pra pior), houveram diversas mudanças na formação, hoje o lepra é um power trio (marcelo, Italo & Raphaell). No início da banda era tenso , porque na cidade o único stúdio que tinha não deixava que agente ensaiasse lá , os caras tinham medo que nós quebrassemos os equimentos, mas essa foi uma dificuldade superada, ensaiavamos muitas vezes na garagem da casa do baterista com uma bateria caindo aos pedaços uns amps bem podres , lembro que agente usava uma bobina de microfone em um cabo de vassora com fita "durex", era tosco , mais era foda. Quando agente se deu conta já estavamos tocando grindcore sem nem perceber e fazia um bom tempo. 

SCUM: Quais são os planos para o futuro da banda?
A gente da banda meio que "deixa rolar" e ver no que dá, único plano que temos no momento é promover a banda através de shows e do nosso ep , carniçeiro, em breve lançaremos, estamos em processo de gravação. final do ano ou mesmo em janeiro 2016 lançar um cd prensado e pá.

SCUM: Qual é a temática da letras?
Algumas retratam a solidão, como é se sentir sozinho no mundo onde o suicidio é a única saída, outras falam do país tosco em que vivemos, outras são explosoes de ódio em tons de ameaça ,a religião que ludibria o individuo fudido, o cara que sorrir enquanto é esfaqueado e por ai vai,...é a nata da desgraça humana.

SCUM: Esse ano vocês participaram do Abril Pro-Rock. Fale um pouco sobre a experiência de tocar nesse festival.
Foi a primeira vez que tocamos em um evento desse porte, no início ficamos meios tenso mas depois nos soltamos, com certeza um dos melhores show da banda. Pra nós é um reconhecimento comemoramos 10 anos de banda no APR, foi fudido de mais, só temos a agradecer a produção do evento, foi atenciosa com a banda nos tratou bem.



SCUM: Cite três bandas nacionais que vocês realmente ouçam.
Uma banda que marcou e lembro que nós escutávamos direto era o cd demo do FACADA ,até hoje escutamos. D.E.R e PLASTIC NOIR não podem faltar nas baladas.

SCUM: Como é a cena independente em Recife?
A  cena oscila bastante tem época que tem show pra kct e tem épocas que não tem quase nada, em geral o underground é muito forte no recife, as únicas dificuldades são os picos pra realizarem os eventos, ou são escondidos , ou são caros. Apesar disso o underground vive.

SCUM: Obrigado pela entrevista. Esse espaço é de vocês! Usem como quiserem.
A gente agradece o espaço cedido pelo site à banda. Queriamos agradecer também a você que acabou de ler essa entrevista e aos nossos amigos que sempre nos apoiaram. GRIND ABRAÇO !!!

Mais sobre a banda:
https://www.facebook.com/lepragrind?ref=ts&fref=ts
http://lepra.bandcamp.com/