Páginas

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

RESENHA: "Tempo, persistência e fúria" - Grinding Reaction

As redes sociais eventualmente podem nos apresentar coisas bacanas e foi via twitter que conhecemos o Grinding Reaction. A banda que vem lá de Diadema, grande São Paulo, existe há cerca de 16 anos (fundada em 2000), possui riffs que vão do hardcore ao metal, com um vocal que lembra um pouco ao clássico vocal do Gepetto do Ação Direta.

Ouvimos o EP "Tempo, persistência e fúria", que inicia com a música "Verdades e Utopia", que traz  riffs mais pesados, seguidos de uma aceleração, convidativa ao mosh. Infelizmente não encontramos as letras para podermos comentar, mas nota-se que as questões sociais são o tema central dos sons.

"Mundo Morto" chega como uma voadora na cara, que tem destaque a batera veloz e refrão empolgante. "Prostituição Infantil" e "Foda-se", continuam na pegada frenética, seguidas por "Sindicato do Crime", no melhor estilo Biohazard de batera tumpátumpá, e riffs do gênero.

"Cultura do Terror", que tem um baixo estalado e bem excutado e "Ascensão", que é para nós o ponto alto do trabalho, fecham o trabalho em grande estilo.

Para você que está buscando novos sons na pegada de bandas de hardcore/metal, como MadBall e a citada Biohazard, a Grinding Reaction é um prato cheio.



Nota: 7.8

Mais sobre a banda:
https://www.facebook.com/grindingreactionfanpage
http://www.reverbnation.com/grindingreaction