Páginas

terça-feira, 2 de abril de 2013

ENTREVISTA: Diego e Marlon | Homicide


Conversamos um pouco com o Diego (guitarrista e vocalista), com o Sommer (baixista e vocalista) e com o Marlon (baterista) da banda de grindcore de Santa Catarina, Homicide. Para quem não leu, já resenhamos a banda aqui! Nessa entrevista eles falaram um pouco sobre as dificuldades em se ter uma banda independente, sobre o cenário do grindcore no país, sobre o lançamento do seu clipe e ainda sobre marketing digital no cenário musical! Confira abaixo!


SCUM - Conte um pouco o início do Homicide. Como decidiram montar a banda, quais foram as principais dificuldades?
Diego: A Homicide começou com a ideia de se tocar Thrashcore. Tudo começou com o Marlon na guitarra, Willian no vocal e Fernando na bateria. O tempo foi passando e a ideia de tocar algo mais agressivo foi se moldando, e ai numa nova formação, a Homicide passou a ser Grindcore. Como todos sabem, ter banda não é fácil, principalmente quando uma banda procura fazer tudo com dedicação. A grande dificuldade esta em investir na banda, seja com equipamento ou material como CDs e camisetas, pois ninguém ganha nada para tocar, e quando toca, muitas vezes tem que “pagar para tocar”.

Marlon: Quando surgiram os primeiros ensaios da Homicide a idéia era outra. Tocávamos Thrashcore fazendo musicas próprias e alguns covers. A banda começou com Marlon (na guitarra), William no vocal e Fernando (vesgo) na bateria. O tempo foi passando, integrantes mudando e a vontade de ser tornar mais agressivo foi nos consumindo até chegarmos ao ponto de se tornar Grindcore, ae então tinhamos uma formação definida pro estilo (Marlon-Bateria, Diego-Guitarra/vocal e William-Baixo/vocal). Nessa época éramos todos na faixa etária de 16 a 18 anos, como éramos muito novos e ainda não trabalhávamos e era bem difícil investir na banda. Atualmente estamos numa fase bem melhor, onde podemos realizar muitos daqueles sonhos iniciais da banda.

SCUM- A temática do álbum "O que o cerca está morto" faz uma crítica pesada à religião. Fale um pouco do processo de composição das letras.
Diego: Buscamos criticar sem meias palavras toda forma fútil de manipulação, doutrina. Tudo aquilo que faz das pessoas submissos cordeirinhos da sociedade. 

Sommer: nós 3 escrevemos as letras e opinamos e construímos a letra definitiva juntos. Juntamos idéias, frases e tentamos deixar da forma mais direta e agressiva possível. Não tem segredo, só escrevemos o que sentimos.

SCUM - Vocês são considerados um dos grandes nomes do grindcore nacional, no entanto, apesar
de o estilo estar crescendo muito nos últimos anos, nem sempre os shows são cheios. Como vocês avaliam o 'cenário' (bandas, público, selos e produtores) no Brasil?
Sommer: valeu pelo “um dos grandes nomes do Grindcore nacional”. O Brasil tem bandas, público e pessoas muito engajadas e ativas na cena até mesmo mundial. Pessoas que confeccionam zines, fazem o corre de gigs e tudo mais, porém o público, pra ser sincero contigo, pelo menos nas nossas experiências foi muito pequeno. Já consideramos isso até normal, é uma pena, pois não deveria ser assim. O Grindcore sempre foi restrito mas não precisava ser tanto assim, hahaha...tem shows que as vezes dá umas 10/15 pessoas mano. Que produtor que vai ter ânimo de continuar fazendo gigs com esse número? Claro que há exceções. Rolam boas gigs, festivais tradicionais e tal, mas gigs “normais” de final de semana são realmente fracas! Quanto aos selos, esse sim é um ponto positivo pra gente, pois tem rolado muito lançamento cooperativado, novos selos na ativa, bandas brasileiras lançando vinil, e esperamos que nessa questão continue assim pra melhor.

Diego: Realmente o cenário nacional está com o freio de mão puxado, poucas pessoas nos shows, bandas sem condições de gravar um material de qualidade e os selos cada vez menores. A questão do publico é algo que não da para discutir muito, pois em algumas cidades, todos os amigos que curtem som em comum se reúnem em shows de qualquer gênero formando a cena local, já em outras cidades as pessoas põem um rotulo na testa e se dividem em tribos, onde ninguém se mistura a ninguém e assim seja. 

SCUM - Há pouco tempo vocês lançaram o clipe da música "É tudo sobre Informação", assim como muitas bandas também lançaram lançaram no último ano. O que vocês tem a dizer sobre o marketing digital utilizado fortemente pelas bandas atuais. Consideram um fator positivo ou negativo?
Sommer: O marketing digital é muito positivo, porém a música ser tratada de forma digital é que complica, mas esse é outro assunto, hahaha. Quanto ao vídeo, fizemos tudo de uma forma bem simples, sem recursos, e caprichamos na edição com a ajuda de um amigo. Esse clip ajudou de verdade a divulgar nosso full lenght, as pessoas assistiam e já compartilhavam e se tornou um vírus se espalhando muito rápido pela internet.

Diego: Tem pontos positivos e pontos negativos, um ponto positivo, é que agora está mais fácil divulgar o trabalho da banda, seja com clipes ou com musicas, você pode mostrar tudo isso em tempo real para uma quantidade incalculável de pessoas. O ponto negativo é que com a internet, acabou com todas as chances da nova geração passar a ter discos de bandas no porta CDs, pegar um belo vinil na mão. Pois hoje você pode ter uma discografia completa com apenas alguns cliques, dessa forma, tornando mais difícil a vendas de material, e assim, quebrando as pernas dos selos. 

SCUM - Quais são os planos para esse ano?
Sommer: Estamos com uns sons novos, temos alguns lançamentos agendados e queremos tocar. Os mesmos planos de sempre sem grandes pretensões.

Diego: Ensaiar muito, fazer algumas gigs, fazer sons novos...

SCUM - Esse espaço é de vocês. Falem o que quiserem!
Diego: Queremos agradecer a todas as pessoas que em São Paulo compraram nosso CD e nossas camisetas, que tudo isso que fizemos não foi para ser guardado numa gaveta de um velho armário da casa, tudo que fizemos é para quem curte Grindcore.

Sommer: Agradecer a todas as pessoas do Brasil inteiro que tem entrado em contato dando um imenso apoio ao nosso barulho, seja catando o CD, camiseta, chamando pra gig, fazendo entrevista, ou falando um simples “vocês são do caralho”, que pra gente tem muito valor. Em breve sai material novo! Obrigado pelo espaço!! Cheers!!

LINKS RELACIONADOS


http://www.homicidegrind.blogspot.com.br/
https://www.facebook.com/pages/Homicide/176634835777360